Prática agora é considerada agressão sexual e pode estar sujeita a punições legais. Preservativo representa forma eficaz de evitar IST e uma gravidez não programada
Olival Santos
O governador da Califórnia Gavin Newsom sancionou, na última quinta (7), uma lei que proíbe remover a camisinha sem consentimento durante o sexo, e que torna este gesto um delito civil de agressão sexual.
É a primeira lei deste tipo nos Estados Unidos. A prática é comumente chamada de ‘stealthing’ (de “stealth” ou “furtivo”, em tradução livre) e tem gerado debates sobre consentimento e violência sexual.
O projeto de lei foi aprovado no Senado e na Assembleia Legislativa um mês atrás sem oposição, disse sua autora, a deputada estadual Cristina Garcia, em um comunicado.
“Estou trabalhando nesta questão desde 2017 e estou exultante que agora existe alguma responsabilização para aqueles que perpetram o ato. Agressões sexuais, especialmente aquelas contra mulheres de cor, são perpetuamente varridas para debaixo do tapete”, disse Garcia em um comunicado quando a legislação foi aprovada.
Ela citou um estudo da Universidade Yale segundo o qual a prática é “uma violação grave da dignidade e da autonomia” e disse que casos afetando mulheres e gays estão em alta.
Pessoas consideradas culpadas de remover a camisinha sem consentimento podem estar sujeitas a indenizações gerais, especiais e punitivas, diz a lei.
LEIA TAMBÉM:
Importunação sexual: o que diz a lei que completou três anos no Brasil